Tempo para todas as coisas - parte 7
   09/05/2022     Adolescentes para Cristo    0 Comments
Tempo para todas as coisas - parte 7
Eclesiastes 3:7 - tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar;
Nas escrituras lemos que a morte e a vida estão no poder da língua (Provérbios 18:21). De facto, com as nossas palavras podemos ensinar e edificar, mas também podemos enganar e falar mal de outras pessoas. Podemos encorajar aqueles que precisam, mas também desanimar ainda mais aqueles que não estão bem. E a verdade é que a partir do momento em que algo está dito já não podemos voltar atrás. Precisamos de ter muito cuidado com aquilo que sai da nossa boca.
Assim, há alturas na nossa vida em que devemos ficar calados. O silêncio pode ser melhor do que palavras vazias, quando não temos nada para dizer. O silêncio pode ser melhor do que palavras iradas e irrefletidas que dizemos quando nos sentimos magoados e zangados, e das quais muitas vezes acabamos por nos arrepender. O silêncio pode ser mais eficaz para resolver conflitos e para encorajar aqueles que estão abatidos, do que a nossa sabedoria humana.
Para além disso, estar em silêncio é essencial para que possamos ouvir. Porque por vezes o maior apoio que podemos dar a uma pessoa é estar junto dela e ouvi-la. Porque muitos conflitos acabariam por não escalar tanto se antes de falar tivéssemos o cuidado de ouvir o que o outro está a dizer. Porque para podermos aprender e crescer na nossa vida espiritual precisamos de ouvir - ouvir os nossos pastores e os nossos irmãos na igreja, e ouvir Deus quando oramos.
Mas também há alturas em que é necessário falar. E nem sempre é agradável fazê-lo, porque muitas vezes aquilo que precisamos de dizer não é aquilo que as outras pessoas querem ouvir. Por vezes precisamos de aconselhar, avisar e mesmo confrontar, e nessas alturas não nos basta ter razão, é necessário termos sabedoria para transmitir a nossa mensagem. Quando, por exemplo, o rei Davi adulterou com Bate-Seba e enviou Urias para a frente de batalha, para que ele morresse, o profeta Natã foi enviado por Deus para o confrontar com o seu pecado (2 Samuel 11 e 12). Natã não se deixou intimidar perante a perspetiva de confrontar o próprio rei. No entanto, fê-lo através de uma parábola, e a sua sabedoria permitiu conduzir Davi ao arrependimento.
Que o Senhor nos possa ajudar a distinguir o tempo de falar do tempo de ficar calado, e nos possa dar ousadia e discernimento, para que possamos usar as palavras certas para transmitir as mensagens mais difíceis.

Partilhar este Post

Comments

post